sexta-feira, março 20, 2009

Obama, as Religiões e a Nova Sociedade

8 comentários:

UFO disse...

Voto no Obama.
Ontem (nos CTT) passei os olhos numa página dum livro do Obama e gostei sim senhor.
Então não é que fiquei com a sensação de que ele me estava a plagiar? E ainda bem.

antonio - o implume disse...

Uma lição de cátedra! Simples e de um absoluto bom-senso. Perigoso este Obama, muito perigoso! Ele ainda não percebeu que tem demasiado poder para se dar ao luxo de ser inteligente. Ainda vamos ter saudades de Bush ou de Clinton (muita treta inconsequente).

manuel gouveia disse...

Fiz uma referência no 2711 a este vídeo.

alf disse...

O que eu achei mais espantoso é que o Obama não recorreu à técnica da «mentira conveniente». Ele falou como se as pessoas fossem inteligentes!!! Ora, essa é a primeira regra que um político aprende: nunca dizer a verdade! Porque a verdade implica sempre que alguns interesses individuais terão de ceder a interesses colectivos e as pessoas não querem ceder um milimetro nos seus interesses individuais.

Além disso, foi falar de assuntos de religião. Alguma vez ouviram tal da boca de um político? Contestar a «sua» religião??

UFO disse...

No youtube, junto desse video, um 'religioso fanático estúpido qualquer'(que me perdoem aqueles que são apenas 'religiosos' ) teceu mimos contra o Obama por causa da sua mensagem: que lhe parecia 'blasfémia'.
Muitas religiões têm uma tradição de intolerância com as visões diferentes.
Procuram apropriar-se da interpretação da bíblia, e negar aos outros, especialmente aos ateus, o direito de fazer-mos uma leitura do livro de um modo mais aberto.
Eu não renunciei ao meu direito de entender/interpretar a bíblia do modo que eu bem entendo, bem como de dar público testemunho da 'minha verdade'.
O Obama parece que tem a mesma posição.
Não estou a pedir para mim nada que a sociedade não entenda como direito dos 'religiosos'.
Os direitos são iguais quer para os religiosos quer para os não religiosos.
Combinamos assim: Eu não te imponho os meus pontos de vista e tu, por muito religioso que possas ser, também não me impões o teu modo de ver.
O Obama disse o mesmo.
Acho bem que não tolere que o silenciem.
É um ninho de vespas ?
Paciência. Fica mais claro assim.
Nos tempos que correm a maioria (ou minoria) que pensam como eu, livre de mandamentos ditados por religiões, temos uma palavra a dizer.
Temos o dever de não ficar calados nem de praticar a auto-censura.
Perder a liberdade de expressão é muito mais fácil do que adquiri-la. Assim, importa estar atentos.
Nos USA os 'criacionistas' (anti-Darwin) são um lóbi poderoso.
É bom saber que o Obama lhes vai resistir.
Os religiosos perigosos não são apenas os fundamentalistas muçulmanos. São os fundamentalistas de muitas outras confissões, incluso ateus (não se decreta a 'morte de Deus' como fizeram os marxistas no poder).

Viva a liberdade de expressão.
A liberdade religiosa é derivada da liberdade de expressão mas não é mais extensa.
Caricaturando:
Se aceito que os religiosos digam bem de Deus, públicamente e sem motivo do escândalo geral, também eles, por sua vez, têm que aceitar sem escândalo que eu diga mal de Deus, ou negue a sua existência, públicamente.
Os direitos são iguais.
E um viva aos homens/mulheres frontais que aceitam negociar muita coisa, mas não a liberdade.
E viva o Obama. Que ele consiga uma sociedade e mundo mais tolerante e mais seguro.

UFO disse...

antónio ! Não foi você que está desejando e pedindo mudanças ? Só tem que ficar contente.
O Obama 'precisa' de se 'justificar'/afirmar. O Bush era presidente natural, filho de presidente, quase dinastia. Podia dar-se ao luxo da idiotice.
Agora o Obama tem de antecipar-se e deslocar o problema para longe do risco branco/preto. Assim vão falar das ideias dele e não da sua cor. E vai ganhar muitos apoiantes (a razão de ter ganho me parece).
Os USA tem muito mais que brancos racistas, pretos racistas, religiosos fundamentalistas, sulistas e totós.
A maioria quer mesmo uma mudança (à Kennedy). É a esperança.
Por cá temos políticos que se destacam pelo pior. É uma treta e um desespero.

alf disse...

UFO

Parece que é como diz mas não é. O Deus dos cristãos é o «Deus Colérico» que já referi em posts muito antigos. Um Deus que por causa de uns quantos se portarem mal se irrita e dá um murro na mesa, lixando toda a gente, os «bons» e os «maus». E isso dá aos crentes, na opinião deles, o direito de actuarem contra os que contestam o seu irritadiço Deus. E dá-lhes a força e a perigosidade do medo que sentem.


Esta ideia do Deus colérico foi muito útil à igreja para fomentar a sua expansão. As missões não estão preocupadas em salvar as almas dos gentios que catequizam, estão preocupadas em os converter antes que o Deus se irrite e escaqueire isto tudo

Essa é também uma das mensagens de Fátima - a Nossa Senhora estava em dificuldades para segurar o braço colérico de Deus, irritado com o mau comportamento dos homens e sobretudo com os comunistas...

Esta posição de Obama há de vir a ser aproveitada pela Igreja, porque a Igreja sabe que o Evento acabará por acontecer, só não sabe quando, e a estratégia de Igreja é apresentar o Evento como um castigo divino.

Um dos primeiros posts ("Quem lê, entenda" de Maio de 2007) explica isso (link na margem direita)


Eu preferiria enganar os crentes do que enfrentá-los como o Obama fez. A humanidade não me parece suficientemente desenvolvimente para se poder pôr de lado a «mentira conveniente». Temo que ainda acabe por haver, daqui a algum tempo, desenvolvimentos perigosos.

Joaninha disse...

Ai, ai, ai este Obama ainda vai acabar mal, homens demasiado inteligentes na politica nunca acabem bem...Uma pena, o senhor é interessante.

Quanto ao discurso, assim devia toda a gente, com o sem credo, ver o credo dos outros...