segunda-feira, junho 11, 2007

Notaram?

Notaram?

Notaram que o António do último post tinha na cabeça um modelo relacional em vez de uma colecção de fórmulas, como todos os outros?

O cérebro nascerá apto para as duas coisas, mas umas pessoas vão desenvolver sobretudo a capacidade de memorizar dados, enquanto que outras a de identificar relações, propriedades gerais e conceitos.
A primeira dessas capacidades satisfaz a necessidade de “saber”; a segunda a de “compreender”. Das pessoas que desenvolvem excepcionalmente a primeira diz-se que são “sábias”, das que desenvolvem a segunda que são “muito inteligentes”.

....Inteligentes? Hummmm ..... mas o que é Inteligência? Um dom divino? Uma propriedade de uns circuitos muito especiais que um milagre da natureza, ou uma Inteligência externa, colocou nas humanas cabecitas? Ou o quê???

13 comentários:

antonio disse...

A filosofia pode ser ainda mais polémica que a política ou a religião!

Lembra-se da lição Dan Brown? Na filosofia não se podem "cometer" erros de protecção, como nas questões que caiem dentro da área da mitologia religiosa...

Tem praticado os diálogos?

Se tiver afim de uma experiência surrealista leia a entrevista da MM ao DN.

alf disse...

"A filosofia pode ser ainda mais polémica que a política ou a religião". Bem visto! Não tinha pensado nisso...

Tem de explicar melhor o que é isso dos "erros de protecção"

Pois, a entrevista é um bocado surrealista, mas como a foto escolhida serve esse propósito, fico sem saber o peso da mão do jornalista...

...o que começa a vir ao de cima é que os serviços do estado e autarquias fora de Lisboa ainda são um caos maior do que em Lisboa...

antonio disse...

Se você recuar alguns séculos a data da criação do Priorado do Sião, provoca alguns sorrisos nos académicos mas não uma guerra. Por outro lado os teólogos não se lhe lançam às canelas, porque não o levam demasiado a sério.

Se a Igreja tivesse que levar Dan Brown a sério ele teria perdido leitores no universo dos católicos, assim conseguiu espicaçar a curiosidade destes e apelar ao sentido do fruto proibido ou pouco recomendado para conseguir nos católicos uma boa fatia dos seus leitores.

alf disse...

Então eu vou ter grandes problemas...

antonio disse...

Pois! Por isso o meu empenho em o colocar no bom caminho, ovelha tresmalhada!

Laura disse...

Será que alguém se julga sabedor do caminho certo???

Pára aí... eu falarei uma meia-língua portuguesa... mas nunca pensaria que tem só um caminho certo...
cadê os mistérios... cadê a surpresa... o olho do menino... que tudo sabe e tudo descobre...

eu sou ninguém... mas estou pela descoberta...

Laura disse...

Esqueci... Inteligência, pra mim, é a capacidade de se supreender, de estar aberto ao conhecimento, o novo... o que vem aí... cimentado no antigo, claro... que faz crescer... que muda, que critica... aliás... que incomoda...

Se é divino, genético (menuda mistura eu faço).. ou quê... desconheço. Também não me preocupa.

Mas ter a verdade é perigoso... se julgar de ter a verdade... é mortal...(a anulação da crítica, da questão... é signo de doença da verdade)

alf disse...

Laura, a tua análise "romântica" do que é "inteligência" corresponde, no fundo, exactamente, à análise "técnica" que apresentarei mais adiante.

As "certezas" matam a "inteligência" e conduzem sempre ao abismo; apenas quando este surge evidente, a "dúvida" pode abrir de novo as portas à "inteligência". E como os homens tendem a afirmar-se pela "certeza" e as mulheres pela "dúvida"...

É um prazer ler os vossos comentários; e já me disseram que o blog é mais lido pelos comentários do que pelos posts...

Laura disse...

Será que teremos de pegar de novo Sócrates... com a maiêutica e Santo Tomás... com as suas téncnicas?

Nunca a verdade foi água de poço...
Nas turbulências existem fios invissiveis só pra quem não quer ver...

E só para aclarar...não apenas leio os comentários... primeiro os textos...

Isso das nuvens... ingenuidade... ignorância... sei lá... mas nunca tinha parado para pensar... (sei isso de refletir... de fazer de cobertor... mais tem implicâncias além disso...)
e lá vou eu ... a esperar por mais... a pensar...

Laura disse...

Correcção:

Nas turbulências existem fios, invissiveis só pra quem não quer ver...

alf disse...

Bonita e profunda essa frase... vemos com o cérebro, não com os olhos... por isso, são invisíveis os fios para quem acredita que eles não existem... o problema não está só em não querer ver, está também em que aquilo em que acreditamos nos cega!

leprechaun disse...

umas pessoas vão desenvolver sobretudo a capacidade de memorizar dados


Ei! Isso é comigo, mais a sabedoria enciclopédica que faz um jeitaço nos concursos da TV?! :)

Bons tempos, agora já não ligo a isso. Logo, procuro também entender mais o geral...

Rui leprechaun

(...nessa relação inter-causal! :))

Anónimo disse...

bom comeco