terça-feira, junho 19, 2007

No Tempo dos Dinossáurios


Sabias que no tempo dos dinossáurios não existia gelo nos pólos? Ahh, não sabias! Pois é verdade, por muito estranho que te pareça: NO TEMPO DOS DINOSSÁURIOS NÃO EXISTIA GELO NOS PÓLOS!

Onde é que existia gelo? Em lado nenhum! A temperatura média da Terra seria cerca de 25ºC, mais 10ºC do que hoje. Há quem diga que eram mais 15ºC. Como era mais quente, existia mais vapor de água na atmosfera e mais nuvens, logo uma grande estabilidade térmica em todo o planeta: as amplitudes térmicas eram muito pequenas, talvez tão pequenas como 5ºC, a temperatura no equador não seria muito superior à actual, a dos pólos é que era quase tão alta como a do equador.

Como se explica isso? Bem, a verdade não posso dizer-ta ainda, mas posso dizer-te como a Ciência o tentou explicar. Vais-te rir... Primeiro, tentou explicar com o Dióxido de Carbono. Sabes, os registos do passado da Terra são coincidentes em duas coisas: tanto a temperatura como o dióxido de carbono são tanto mais altos quanto mais no passado. Daí a infeliz ideia de que o dióxido de carbono seria responsável por um misterioso efeito de estufa que determinaria o aquecimento da Terra. Mas o aquecimento no tempo dos dinossáurios, ou seja, aí há uns 100 milhões de anos atrás, é grande demais. Então, os cientistas lembraram-se de outro gás: o metano! Mas onde estaria a fonte de metano? Brilhante ideia: os intestinos dos dinossáurios! Os peidos dos dinossáurios!!!!

Estás-te a rir? É verdade! Essa foi a primeira explicação. Depois surgiu a de que o metano existiria em bolsas submarinas, que o teriam libertado em grandes quantidades nessa altura. Fizeram-se pesquisas, encontrou-se alguma coisa, mas nada capaz de explicar esse aquecimento. Por isso, agora, é assunto de que se não fala. A Ciência só tem de falar dos seus sucessos, não tem de falar dos seus insucessos.

Mas... se não foi o Dióxido de Carbono nem o Metano, o que foi afinal que fez a Terra ficar tão quente?

17 comentários:

indomável disse...

Huuummmmmm... deixa-me lá pensar...
Seria... não, não pode ser... o Sol?

Tarzan disse...

Também me palpita que foi o astro-rei. Ou então a actividade vulcânica.

A resposta já dependerá se estamos mais virados para a astrofísica ou para a geologia/vulcanologia.

antonio disse...

Há 100 milhões de anos atrás estava tudo no seu sítio como conhecemos hoje? Não me refiro às posições relativas entre si, mas à sua posição absoluta.

Existem por aí alguns dinossauros, é uma questão de se lhes perguntar.

alf disse...

Indomável, o Sol está inocente; na realidade, a actividade do Sol deve ter aumentado ao longo do tempo, hoje radia mais energia do que no tempo dos dinossaurios. Se dependesse do sol, a Terra estaria quase congelada há 100 milhões de anos atrás. Não foi o Sol, não foram os gases de "efeito de estufa"...

alf disse...

Tarzan, a actividade vulcânica... também se tentou ir por aí, mas depois há muitas coisas que não batem certo, a hipótese foi abandonada. Não foi o Sol, não foram gases, não foram vulcões....

alf disse...

António
..pois existem, mas não falam. Se falassem agora, acontecia-lhes como ao Galileu e outros, não é?

antonio disse...

Não se iluda, a besta 778, que tudo sabe do que se passa nos blogs, já anda de olho em si...

Tarzan disse...

Alf. Tire-me deste suspense!!!!!

alf disse...

António, bom aviso.. vou escrever ainda mais redondo... a besta é quadrada....

alf disse...

Tarzan, todo o nosso conceito de universo tem de ser mudado. Como no tempo de Copérnico e Galileu. Por isso é o que os cientistas, nalguns campos, se sentem um pouco como baratas tontas. Mas sossega, porque todas as respostas serão dadas... se a Besta não interferir...

antonio disse...

A terra já perdeu o centro do universo, nada de mais grave nos poderá acontecer.

alf disse...

António, aí é que se engana... o ego humano vai ser fortemente atingido...

leprechaun disse...

Então, os cientistas lembraram-se de outro gás: o metano! Mas onde estaria a fonte de metano? Brilhante ideia: os intestinos dos dinossáurios!


Pois, ele agora está nas vacas, também já li isso!

Homessa! E então não é verdade?! Bem, tudo isso se pode medir, ora.

Mas se as nuvens são assim tão importantes, como é que não figuram nos tais modelos climáticos?!?!

Aliás, há poucas semanas lembro-me de ter lido numa revista um artigo de um cientista português dessa área que também criticava justamente esse facto, desvalorizando pois a proclamada ideia do aquecimento global.

Logo, está-se a ver que há mais quem desafina...

Rui leprechaun

(...as vacas fazem "muuu!" e não se importam co'o clima! :))


PS: Na mouche!!! Eis a transcrição integral da entrevista noutro blog, Mitos Climáticos!

Entrevista com o Prof. João Corte-Real

alf disse...

leprechaun

O problema é que o CO2 é só 0,04% da atmosfera. Os efeitos que poderia ter sobre o clima são completamente abafados pela influencia das nuvens.

Os modelos climáticos deviam ser definidos para emularem o melhor possivel esse grande agente do clima que são as nuvens. Há muitas coisas que sabemos delas, por exemplo que a temperatura média no equador é duma estabilidade impressionante, enquanto que no spolos apresenta alta variabilidade.

Esta é uma consequencia elementar do sistema de nuvens; mas os modelos climaticos do aquecimento global são estabelecidos para que surjam consequencias do CO2; então têm de praticamente eliminar o efeito das nuvens. Neste modelos, a temperatura no equador pode variar muito, o que mostra logo como são desajustados da realidade

leprechaun disse...

Ora bem, vamos então a ver se estou a compreender.

Para já, fui à Wiki... ainda estou na velha ciência! Ora, tenho de começar por algum lado... ;)

Lá se diz que o efeito estufa, principalmente devido ao vapor de água, CO2 e metano, é até importante para a vida na Terra, só que se vem acentuando nos últimos 100 anos e talvez devido à actividade humana, a indústria e a pecuária e em especial a queima dos combustíveis fósseis.

Ora aqui, aquecimento ou não, como creio ter já dito noutro comentário, a procura de energias alternativas é por certo positiva, até porque provavelmente já se atingiu o tal "peak oil"... ou isto também é ficção?!

Numa consideração mais geral, o tal "rebanho universal", se antes acreditava nas verdades da religião agora acredita nas da ciência, parece-me natural. Bem, uns lá terão mais espírito crítico do que outros e também essas verdades têm as suas nuances, embora as pequenas seitas heréticas não tenham a mesma influência do "mainstream" oficial.

Bem, há aqui uns dados no artigo sobre o CO2, embora não veja referida essa pequena percentagem de 0,04%:

A concentração de CO2 na atmosfera começou a aumentar no final do século XVIII, quando ocorreu a revolução industrial, a qual demandou a utilização de grandes quantidades de carvão mineral e petróleo como fontes de energia. Desde então, a concentração de CO2 passou de 280 ppm (partes por milhão) no ano de 1750, para os 368 ppm atuais, representando um incremento de aproximadamente 30%. Este acréscimo na concentração de CO2 implica no aumento da capacidade da atmosfera em reter calor e, consequentemente, da temperatura do planeta. As emissões de CO2 continuam a crescer e, provavelmente, a concentração deste gás poder alcançar 550 ppm por volta do ano 2100.

Ah! 369 ppm são então 0,0369% logo esses 0,04% certo?! Pode ser pouco mas está e deve continuar em aumento, isto se os dados estão certos.

Mas então isto não é assim tão problemático porque a importância das nuvens e o seu efeito de auto-regulação do clima é muito superior, será isso?

Seja como for, e mesmo que o CO2 não seja o vilão, as medidas para diminuir a dependências dos combustíveis fósseis e, por consequência, a poluição são positivas, não é verdade?

Logo, aqui poderia dar-se o caso em que até se chegava à solução do problema (poluição e petróleo), partindo embora de premissas ou dados errados.

Em suma: parece-me que já percebi metade, mas ainda continuo sem ver a real importância desse erro de avaliação dos tais modelos climáticos, até porque nem faz assim muito sentido que a ciência se engane propositadamente contra, e não a favor, da economia, sabendo-se que esta é afinal a nova religião dos tempos modernos e o seu poder se estende cada vez mais a todos os campos, incluindo o político.

Enfim, há que ler mais para melhor perceber o Alf-puzzle...

Rui leprechaun

(...isto ainda é mais divertido que os Wuzzles! :))


PS: Olha, e se o Alf-ET fosse um agente infiltrado... ao serviço do económico papado?! :D

Ai, qu'inda vou ser censurado... prometo ficar calado! ;)

leprechaun disse...

Mas... se não foi o Dióxido de Carbono nem o Metano, o que foi afinal que fez a Terra ficar tão quente?


Ora bem, pelo que já li, e como é dito no próprio texto, pelo menos a manutenção dessa temperatura média mais elevada e uniforme era devida ao efeito de termostato das nuvens.

Mas isso não parece ser causa e sim consequência do aquecimento, claro.

Como era mais quente, existia mais vapor de água na atmosfera e mais nuvens, logo uma grande estabilidade térmica em todo o planeta.

Também não consigo ver nada mais lógico do que o calor ou a radiação solar, mas essa hipótese então está desmentida, hummm...

E se a Terra estivesse mais próxima do Sol, como acontece com Vénus? Afinal, falamos de há 60 milhões de anos, é muito tempo! Existe alguma possibilidade nesse sentido, qualquer hipótese astronómica sustentável?

Eixo da Terra ou eixo da elíptica poderão também ter a ver algo com isso? Especulações sobre o assunto não faltam, mas ao que sei não são consideradas lá muito científicas mas mais lunáticas... astrológicas e fanáticas! :)

Ora eu que nada sei... Gnomito assim de lei... disparatar muito hei...

Rui leprechaun

(...p'ra ajudar o Alf-Rei! :))


PS: Nas rimas sou o maior... é o que sei fazer melhor! :))

alf disse...

leprechaun

O que explica isso é a teoria do Desvanecimento, que o Jorge está a apresentar no «outra física»; é lá que irá encontrando as respostas.