quinta-feira, agosto 09, 2007

O Coração do Sol


Vocês pensam que o Sol é apenas uma fonte constante e quase eterna de luz e calor, não verdade?

E não é?

Para os antigos egípcios era um Deus ahahaah

Pois saibam que os egípcios estavam muito mais próximos da verdade do que vocês!

Como assim? O Sol é Deus?

Descobrirão que o Sol determinou tudo o que existe no Sistema Solar, desde o mais longínquo planeta até nós, e vai continuar a marcar o Futuro. Mas, por agora, digam-me: sabem porque é que o Sol não está condensado como os planetas?

É porque no interior do Sol há uma reacção nuclear que emite radiação e esta empurra a matéria para fora, impedindo-a de colapsar sobre o centro do Sol.

Exactísssimamente António! No Sol existe um equilíbrio entre a força da gravidade, que puxa os átomos de Hidrogénio e Hélio que compõem o Sol para o centro, e a pressão da radiação, que os empurra para fora.

Eu sou bom, eheheh

Sogadito António. Agora reparem no seguinte: quanto maior a pressão da matéria solar sobre o núcleo solar, maior a intensidade da fusão nuclear, ou seja, a energia radiada varia na razão directa da pressão no centro.

Por outro lado, quanto maior a energia radiada, como esta contraria a pressão gravítica, menos esta será; ou seja, a pressão varia inversamente à energia radiada. Isto não vos lembra nada?

Sim! O Ciclo Presa-Predador! A pressão é como os coelhos e a radiação como as raposas: a relação é directa no sentido pressão-radiação e inversa no sentido radiação-pressão.

Tarzan, tu hoje estás inspiradíssimo. É isso mesmo!!

Mas se fosse assim o Sol teria de oscilar, tal como o ciclo presa-predador!

Exactissimamente Indy! E não oscila, pois não?

Nunca ouvi falar....

Pois não! Não se observa tal oscilação. Mas ela tem de existir porque um sistema destes nunca pode ter um equilíbrio estacionário. Chegamos pois a um mistério: o Sol tem de oscilar mas não se observa nenhuma oscilação!!!! Mistéeerioooo! Ideias??

Há o ciclo das manchas solares....

Bruno, Muito bem. E já vos disse que existiam semelhanças entre os dois ciclos. Que facilmente podemos aumentar, pois as equações usadas são apenas equações de princípio. Nessas equações, a interacção entre os coelhos e raposas, ou seja, o número de coelhos caçados, é representada pelo seu valor médio; ora na realidade, o número de coelhos caçados é mais bem representado por uma distribuição estatística, o mesmo acontecendo com os fenómenos solares. Basta fazermos esta correcção para obtermos curvas que já apresentam uma variabilidade do tipo das do ciclo solar.

Vejam na figura que como as duas curvas têm comportamentos semelhantes. Notem que a curva dos predadores é sempre diferente cada vez que se calcula, o que apresento é um exemplo, não está suposto as curvas serem iguais, apenas terem algumas características comuns.

E os reactores nucleares terrestres? Também dependem de fenómenos estatísticos?

Claro! E chamo-vos a atenção para o seguinte: esta oscilação do Sol não é estável! O seu comportamento é caótico e cedo ou tarde pode originar oscilações com amplitudes extremas.

O Sol sobre de taquicardia? Ahahah

Ri-te... enquanto podes... não é bem taquicardia.... há quem diga que é uma questão de personalidade....

Personalidade do Sol! Essa é boa!!!!

Os Mayas falavam disso!!! Ciclos solares de não sei quantos milhares de anos... já li sobre isso!


Os Mayas? A que propósito te lembraste desses agora?

Não vêm assim tão a despropósito, não senhor. A nossa memória é estranhamente curta. Quando a humanidade começou a contruir sociedades organizadas, a primeira preocupação de cada novo senhor foi a de destruir os vestigios da história anterior. Mas é aparente que os Mayas teriam um medo terrivel do Sol e isso levanta a possibilidade de ter acontecido alguma coisa num passado remoto de que eles conservaram a memória de geração em geração.

E deve ter sido algo bem terrível... para que pudessem considerar que os sacrifícios humanos que faziam eram um pequeno preço a pagar para manter o Sol apaziguado...

Bem, bem, estamos a desviar-nos. Se querem entender o Sol, esqueçam os Mayas e tratem é de desvendar este mistério: como é que o Sol esconde de nós o bater do seu coração? Vou dar-vos uma pista: água a ferver numa panela ao lume!

17 comentários:

antonio disse...

Um deus com problemas de gases no seu interior!

Espero que certas pessoas que me rodeiam tenham agora uma maior tolerãncia a minha aerofagia crónica, existe nisso algo de divino.

Mas o ciclo presa predador está assim bem metido. Alf recuperou um ponto.

Tarzan disse...

O Sol SOFRE de taquicardia e não "sobre de taquicardia".

Assinado, PIDE-DGS

Tarzan disse...

Mmmmm

Os ciclos não se notam devido a algum fenómeno de inércia? Ou deve-se À entropia do sistema?

alf disse...

António, o seu humor continua a somar pontos! E obrigado pelo ponto que deu, vai-me guiando nos caminhos a seguir..

alf disse...

Tarzan, muito observador eheh

Inercia, entropia.. nada disso.

Não espero que descubram (para isso é preciso ter ido ao futuro ehehe) mas que tentem intuir o tipo de fenómeno. E o tipo de fenómeno é o que ocorre qd a água ferve - um fenómeno em que algo se conserva constante apesar de sujeito a um fonte energia.

Fa menor disse...

"como é que o Sol esconde de nós o bater do seu coração?"

O movimento do sol corre a Eclíptica, sem jamais se afastar: o circulo, que descreve por seu movimento diário, é quase paralelo à Equinocial. Com efeito, o sol gasta 186 dias e 8 horas, &c. em correr os seus Signos Septentrionaes; e 187 dias e 21 horas, &c. em correr os Meridionaes; e por essa razão a Taboada dos Climas Septentrionaes não pode servir para dar exactamente os Climas de mez Meridionaes, percebem agora?

Não???!!!

Nem eu!!! eheheheh

antonio disse...

Fa, grande tirada! As meninas dete blog costumam ser espirituosas mas deixam sempre aos homens o papel dos disparates científicos... mas bem vinda à especulação, basta só algum descaramento (que é o meu caso).

alf disse...



Bela tirada!! Na realidade, não será muito dificil de compreender, se nos situarmos no pensamento do época. Mas é evidentemente muito mais confuso do que entendimento actual. Por exemplo, explica-nos o astrofísico Paulo Afonso na Superinteressante de Junho:

"Os taquiões podem ainda representar-se como um "fluido", combinando massa e energia escuras, com mais riqueza fenomenológica do que a quinta essência. Outros autores preferem combinar matéria escura fria com um campo taquiónico de pressão negativa, que á condição essencial para produzir a expansão acelerada associada à energia escura."

Fácil, não é? E, António, pensava você que era descarado??? ahahah

alf disse...

Amigos, uma nota de rodapé sobre os ciclos solares: neste post um simplifiquei a fenomenologia; na realidade, penso que o que é determinante da variabilidade dos ciclos é o facto de estes terem caracteristicas ligeiramente diferentes ao longo do Sol e o que observamos é a compossição destes ciclos, de periodos ligeiramente diferentes. É fácil mostrar que uma tal composição gera ciclos com as caracteristicas observadas.

Estes ciclos vão-se sincronizando ao longo do tempo e as caracteristicas dos ciclos evoluem num sentido determinado que nos permite prever algumas das suas caracteristicas no futuro próximo

Isto é importante e será mostrado em futuros posts. Mas para fazer esta apresentação em posts tenho de avançar por aproximações sucessivas, não posso abarcar logo o problema todo de uma só vez.

Aqui fica a nota para que os mais atentos não venham depois reclamar que eu terei sido pouco rigoroso nesta fase ao não referir a variabilidade dos ciclos ao longo do Sol.

Tarzan disse...

Dúvida:

«Mas se fosse assim o Sol teria de oscilar, tal como o ciclo presa-predador!»


Quando refere oscilações, trata-se de oscilações de diâmetro?

alf disse...

Tarzan

A energia produzida pelo nucleo solar oscilará, isto é, não será constante; ora a energia radiada pelo Sol, bem como o seu diâmetro, são funções da energia produzida no seu interior; logo, se esta nao é constante, seria de esperar que a energia radiada e o diametro solar variassem.

Porém, as variações tanto de uma como de outra são insignificantes. Quererá isto dizer que a a energia produzida no interior do sol é constante, a "constante solar" como até há pouco se dizia?

Este post "entala-nos" entre duas constatações: a observada quase constancia solar e percepção da impossibilidade da constancia da energia solar produzida. Como explicar esta aparente contradição? Como pode a energia produzida no nucleo solar variar de forma oscilante sem consequências à superficie do Sol?

bruno cunha disse...

continuo curioso com o Sol mas tb com os Maias, pois sempre fiquei intrigado com os seus brutais rituais...

leprechaun disse...

Ah, espera... as bolhas de ar que rebentam à superfície da água que ferve... será isso?!

Mas isto é batota, que eu estou a ler no sentido inverso ao do tempo... ;)

Seja como for, este foi mesmo o post que menos entendi, isto do Sol já está científico de mais cá para o imberbe! :)

Mas assim por uma intuição mal amanhada ou alguma instrução científica meio aldrabada, se essas contracções cíclicas não se dão, pelo menos de forma muito visível e aparente, talvez isso significa que algo é expulso para libertar essa pressão, pelo menos é o que depreendo na comparação com a água fervente.

Bem, isto está confuso e assim algo amarrotado...

Rui leprechaun

(...mas cá por mim até foi bem congeminado! :))

alf disse...

leprechaun

pois é, este post não está grande coisa, está pouco claro; precisava de uma ilustração adequada. Deu-me a preguiça, foi o que foi.

Vou tentar pôr em palavras o que deveria ter post em imagem.

Digamos que o sol tem uma camada externa que é semelhante à água; por dentro dessa camada de «água», está muito quente, já não há água, apenas vapor.

Portanto, se descrevermos o sol de dentro para fora, temos um núcleo onde se dá a fusão nuclear, depois uma zona de «vapor» e finalmente uma camada de «água», que é a superfície exterior do sol, muito mais fria que o interior.

Se aumentar a energia produzida do interior, acontece que a «água» que está na fronteira com o vapor se evapora; mas a evaporação da água aborve muita energia. Então, o que acontece é que a espessura da camada superficial de água fica mais fina, a parte interior dela passa a «vapor» e nessa passagem absorve o excesso de energia produzida no núcleo.

Portanto, o sol dispõe de um mecanismo de amortecimento das oscilações, que é a fronteira «água-vapor». Esta é que oscila, para fora e para dentro, em função das flutuações de energia solar, absorvendo-as. É por isso que as não vemos à superfície.

Apenas detectamos uma pequena variação da energia radiada, consequencia da variação da espessura da camada de água.

claro que vapor= matéria ionizada e água=matéria não ionizada.

Será que se percebe melhor?

Mas voltaremos a este assunto bastante mais para diante; porque é por causa dele que eu estou a escrever este blogue

leprechaun disse...

Confesso que continuo baralhado... mas está tudo muito bem explicado! :)

Ora então, as manchas é que são os coelhos e o campo magnético as raposas?!

Tal como a pressão da gravidade e a radiação do núcleo solar...

Assim, quando o campo magnético atinge o auge as manchas diminuem rapidamente mas a curva descendente da radiação magnética é menor. Será isto?!

De qualquer modo, em vez de relação causa-efeito há mais uma interacção dinâmica e daí os tais ciclos. Mas assim sendo, o aumento das manchas precede o aumento do campo, logo a relação é mais causal no sentido das manchas solares, o que não me parece ser aquilo que habitualmente se lê...

Sunspots, being the manifestation of intense magnetic activity... Wiki says.

E que tem tudo isto a ver com essas oscilações plasma-não plasma que corresponderá à transição fotosfera-cromosfera, será?!

Hummm... continua tudo aqui muito escuro no miolo...

Rui leprechaun

(...'inda me dói a tola de tanto franzir o sobrolho! :))

alf disse...

leprechaun

Tudo o que julga saber é para esquecer, tudo o que as vozes e a sabedoria antiga diziam está errado.

As manchas solares não são consequencia dos campos magnéticos que lhes estão associados; estes é que são uma consequencia local destas.

Como os físicos não sabem explicar as manchas solares e a ciencia não pode dizer «não sei», nem sabe como isso se diz, inventaram essa dos campos magnéticos. Como a generalidade dos físicos de hoje nada percebe de Física, apenas de matemática, aceitaram isso como «verdade». Mas é um disparate.

Portanto, esqueça tudo o que musa antiga cantou.

O ciclo presa-predador estabelece-se entre a pressão da gravidade e energia produzida no nucleo solar.

Isto é o contrário do que diz o actual modelo estelar, que presume que existe um equilibrio entre a pressão da gravidade e a energia produzida. Esse equilibrio é impossível, instavel, só pode existir uma oscilação, um ciclo presa-predador.

E a grande questão é: Se existe esse ciclo, se tem de existir, o que é que o estabiliza, que torna a sua dinâmica controlada, que esconde os seus sintomas, que impede as estrelas de andarem em constantes explosões?

leprechaun disse...

Mas eu não sei nada, ó grande Sábio, posso mesmo ser ensinado desde o início, sim... eu quero é brincar no solarengo jardim! :)

Ora isto é como ler um romance policial, claro, a gente quer saber o que vai acontecer... e o grande final!

Entretanto, vou consultando os links e lendo e vendo... sempre aprendendo!

Isto é, não me importo de conhecer todas as teorias, a velha e a nova... desvanecida prova!

E já vi que há pois um mistério nesse tal ciclo pressão-radiação, segundo o modelo presa-predador. Ora à superfície, isso terá a sua tradução nas manchas?! Parece que se espera forte actividade agora no pico máximo do próximo ciclo de 11 anos, algures no tão famoso 2012.

Por fim, a enorme temperatura na coroa solar também terá algo a ver com isto tudo? O fenómeno parece ainda não estar muito bem explicado, agora dizem que o sol é muito barulhento e isso também aumenta o calor mais as bolhas gigantes que vêm do interior!

E ninguém fala do ferro...

Rui leprechaun

(...que ao "nascer" dá um berro! :))


PS: Uáu! Nova grande ideia... delas a tola está cheia! ;)

Eu até podia fazer um poema épico ao Desvanecimento... ahn... ou talvez não, isso diminuía a credibilidade científica e a aceitação! :D