segunda-feira, junho 23, 2008

Fogueiras

Tropecei num texto de um conceituado climatologista que, apesar de ser de 1992, ou talvez por isso mesmo, faz um bom retrato do estabelecimento do processo do «aquecimento global». Penso que será interessante deitarem-lhe uma vista de olhos.

Mas o que me faz escrever este post é sobretudo a referência a alguma perseguição a quem tem opinião diferente da «conveniente». A determinada altura, o autor refere que:

As most scientists concerned with climate, I was eager to stay out of what seemed like a public circus. But in the summer of 1988 Lester Lave, a professor of economics at Carnegie Mellon University, wrote to me about being dismissed from a Senate hearing for suggesting that the issue of global warming was scientifically controversial. I assured him that the issue was not only controversial but also unlikely. In the winter of 1989 Reginald Newell, a professor of meteorology at the Massachusetts Institute of Technology, lost National Science Foundation funding for data analyses that were failing to show net warming over the past century. Reviewers suggested that his results were dangerous to humanity. In the spring of 1989 I was an invited participant at a global warming symposium at Tufts University. I was the only scientist among a panel of environmentalists. There were strident calls for immediate action and ample expressions of impatience with science. Claudine Schneider, then a congressman from Rhode Island, acknowledged that "scientists may disagree, but we can hear Mother Earth, and she is crying.'' It seemed clear to me that a very dangerous situation was arising, and the danger was not of "global warming'' itself.

Isto vem lembrar que tudo continua a ser como sempre foi, ou seja, que a liberdade de opinião só é tolerada enquanto essa opinião for inócua para os interesses que pode afectar. Não pensem que é por mal, que os «perseguidores» são pessoas mal formadas, nada disso, em muitos casos elas pensam genuinamente que estão a agir em prol de todos. Nada é mais perigoso e implacável do que as pessoas que pensam estar a agir em defesa do «Bem».

É assim a nossa natureza, as circunstâncias podem levar qualquer um de nós a pretender calar uma voz que tem razão e nós não queremos ouvir. Pior: podemos não querer ouvir porque no fundo sabemos que é contrária aos nossos interesses ou desejos; convencemo-nos que agimos em defesa de valores superiores mas estamos apenas a agir em defesa dos nossos interesses.

Assim nos enganam os malandros dos neurónios que operam no nosso cérebro profundo.

Corolário desta constatação: eu poderei continuar com os meus posts enquanto ninguém me der importância suficiente para que algum seu interesse, convicção ou desejo se sinta ameaçado. Só quem não acrescenta uma vírgula ao «mainstream» deve aspirar a ser levado a sério. E para que assim seja, pelo sim pelo não, eu vou metendo uns extraterrestres e outras variantes do «bom senso». Não quero que me levem demasiadamente a sério. Nem devem. Além de que assim fica mais divertido para mim e para quem me lê. Só é pena eu não ter talento para rimas...

(estou como os cronistas dos jornais: prometi que fazia um post hoje e não me ocorreu nada mais interessante que isto...)

9 comentários:

leprechaun disse...

scientists may disagree, but we can hear Mother Earth, and she is crying.


Hummm... pois eu como romântico saloio até gosto muito destas tiradas dramáticas! :)

Ou ainda, mesmo que o CO2 gerado pela actividade humana, na industrialização desenfreada que cada vez mais se alarga a todos os países neste processo de globalização económica, nada tenha a ver com o tal "efeito estufa" e o consequentemente aquecimento global, as medidas que se puderem tomar para diminuir ou controlar a poluição são por certo positivas, não é?!

Afinal, tanto quanto sei o CO2 em si nem é poluente nenhum, participando no processo de fotossíntese e sendo, pois, essencial ao ciclo biológico das plantas.

Ou seja, quando se fala das "emissões do CO2" eu creio que tal se refere aos fumos industriais e por aí, ou será que estou enganado? Neles há outros gases poluentes e mais tóxicos, tipo enxofre e cloro, etc.

Mas aqui parece-me haver algo paradoxal, ou seja, por que razão haveria a ciência, se não é independente da economia nem da política, pôr em causa a industrialização ao afirmar que a actividade humana é o principal factor do temido aquecimento do planeta? Assim, à 1ª vista isso soa algo estranho...

Isto mesmo que o CO2 esteja inocente, ou será que tal teria apenas como objectivo desviar a atenção dos tais outros gases, esses sim venenosos e mortais?!

Dizei vós, Mestre que iluminais...

Rui leprechaun

(...as tresmalhadas ovelhas e os pardais! :))

andrezero disse...

free spirits may disagree, but we can hear the mainstream and it is shouting.

leprechaun disse...

Assim nos enganam os malandros dos neurónios que operam no nosso cérebro profundo.


Talvez, talvez, ó mui sapiente... mas o que é que nos preenche verdadeiramente?!

Dei agora de novo com a tão bela e simples poesia de Angelus Silesius sobre a rosa e o igualmente imaculado "sutra do lótus" de Buda.

Há um outro saber tão mais fundo e simples que até se pode confundir com ingénua ignorância. Mas será mesmo a essência do Universo tão complicada assim, como os caminhos da ciência?!

Talvez a mente diga "sim", mas no mais fundo e recôndito de mim algo sussurra que tudo é tão belo e simples como um eterno jardim!

Porque há um vazio-pleno que pulsa de Amor...

Rui leprechaun

(...e Eu só existo para Seu louvor! :))


Rumi - Say I Am You

alf disse...

Leprechaun

Dê um pulo ao link do post, lá está bem explicado como a ciência foi envolvida no assunto... embora não diga tudo, este «aquecimento global» tem sido um maná para cientistas «espertos» que, pelo menos os que conheço, não são de climatologia.

Este processo tem as suas vantagens, nomeadamente o desenvolvimento de uma consciencia global - frágil é claro, a subida do preço dos combustíveis pode destrui-la num instantinho. Mas tb tem riscos enormes e o passado parece mostrar que a manipulação da ciência pode conduzir a maus resultados - para ilustrar isso fiz o post sobre a «superioridade ariana», que é o último do mês de Abril.

Precisamos de causas globais. Até é fácil arranjar - combater os poluentes. Ou a sobrepopulação. Não havia necessidade de inventar uma mentira. Que se pagará certamente caro, como todas as mentiras.

Tarzan disse...

«não me ocorreu nada mais interessante que isto...»

alf, está a ser demasiado modesto. este post parece-me interessantíssimo.

Diogo disse...

«Não pensem que é por mal, que os «perseguidores» são pessoas mal formadas»

Há aqui alguma ingenuidade, meu caro Alf. O «combate ao aquecimento global» pode ser muito frutuoso.

antonio disse...

Praticar o bem é uma chatice, defendê-lo é muito mais interessante!

alf disse...

tarzan

ainda bem que acha.. eu às vezes escrevo coisas nem sei bem porquê...

diogo

os malandros dos neurónios movem-nos sempre de encontro aos nossos interesses... se calhar, se alguns do que são «pró» trocassem de lugar com alguns que são «contra», talvez as respectivas opiniões mudassem também... tal é a humana natureza, palavra de Tulito...

antónio
Essa frase é boa. É sua ou tem outro autor?

Já agora: governar é uma chatice, ser da oposição é muito mais interessante... e ser comentador de TV é o máximo!

Joaninha disse...

"Só é pena eu não ter talento para rimas..."

Isso não sei se é assim tão linear, já tentou por acaso? hummm?

Sempre achei este fenomeno do aquecimento global de um extremismo atroz. Claro que a poluição que causamos é um perigo e claro que temos de a refrear, mas não me parece nada que o grave sejam as emissões de CO2.