domingo, setembro 14, 2008

A Potência da Humanidade

Vejamos então quanta potência biológica consome a população mundial actual pelo simples facto de existir. Vamos trabalhar em unidades de Wh/ano, pelo que temos de calcular quanto consome o humano médio nestas unidades.

No post anterior já se disse que uma potência de 114 kW corresponde a 1 GWh/ano (uma potência de 114W consome 114Wh ao fim de uma hora e depois é multiplicar pelo número de horas de um ano médio). Portanto, «de cabeça» vemos imediatamente que, então, 114 W corresponderão a 1 MWh/ano (é só dividir por mil); e está-se mesmo a ver que 114 W deve ser um bom número para representar a potência humana, não vos parece?

Com efeito, 114W são 114x24= 2736Wh/dia que são 2736x0,86= 2353 kcal/dia

Se consultarmos as tabelas que o anonimodenome indica num comentário ao post anterior vemos que nos países muito pouco desenvolvidos o valor da potência por pessoa se situa abaixo das 2000 kcal/dia; nos países desenvolvidos o valor é muito mais alto, acima de 3400 kcal/dia (Portugal: 3753 kcal/dia na ingestão de calorias diárias em 2001/2003). Portanto, o valor de 1 MWh/ano por pessoa, que corresponde a cerca de 2350 kcal/dia é um valor adequado, até porque queremos, pelo menos por agora, números «redondos».

Portanto:

Potência do ser humano: 1 MWh/ano

Qual é a população humana? Em 2005 eramos uns 6,5 mil milhões de pessoas, pelo que hoje seremos uns 6,7 mil milhões de pessoas, ou 6,7 Giga. Sendo 1 MWh o consumo anual por pessoa, então:

Potência da humanidade 2008: 6,7 milhões de GWh/ano

Isto está a ficar interessante! Começamos a ter números, o que significa que começamos a poder «apalpar» o assunto em vez de apenas «palpitar» sobre ele.
No post anterior determinamos que a potência máxima que a fotosíntese pode produzir, considerando que ela actua em toda a superfície do planeta, será de 10 milhões de TWh/ano. Quererá isto dizer que podemos respirar de alívio, a Natureza pode providenciar a nossa sobrevivência? Hummmm... será? Que vos parece?
.

17 comentários:

antonio - o implume disse...

Alf, corte-me fora dos seus cálculos. Eu só como junk food, nada que tenha remotamente origem na foto-síntese. A minha comida é foto-síntese free, há muito que cuido do planeta.

anonimodenome disse...

pois não nos devemos esquecer de contabilizar toda a vida animal, e não apenas os humanos.
a carne que eu como enfim, existe um reaproveitamento de energia.
aquela que não comemos corre o risco de poder vir a ser decretada como puro desperdício.
no caso particular dos implumes têm de consumir mais energia do que o comum dos mortais. muito por causa da sua produção literária exigente.

alf disse...

antónio, pois, voce depende só do petróleo rsrs... e qd acabar o petróleo?

alf disse...

anonimodenome
pois, a fotossíntese produz uma certa quantidade de compostos organicos mas nós só podemos utilizar uma pequena parte destes; os herbívoros são uma forma de tornar utilizavel a parte vegetal que não podemos aproveitar.

Mas isso implica um rendimento muito baixo, porque parte da energia consumida pelos herbívoros é gasta em mantê-los vivos.

Feito o balanço, a parte da produção da fotossíntesse que chega até nós será muito menos que os 2,5% do seu rendimento máximo

antonio - o implume disse...

Ora, consumo gasolina!

Diogo disse...

Jon Stewart - a propaganda do Pentágono sobre a guerra do Iraque

Jon Stewart, do Daily show, com uma excelente dose de humor, desmascara a propaganda do Pentágono acerca da guerra do Iraque. O alvo são os falsos “analistas militares”:

Stewart: “Pois parece que muitos destes ex-militares não eram assim tão “ex”, trabalhando para empresas de armamento e para o Pentágono. Enquanto os canais televisivos lhes chamavam “analistas militares”, o Pentágono, em memorandos vindos a público há pouco tempo, refere-se a eles como “multiplicadores de mensagens”. O que soa muito melhor do que velhos matreiros.”

"Olhem para estas adoráveis e bondosas ex-máquinas de matar. Os canais televisivos contrataram-nos para dar opiniões de especialistas acerca do esforço bélico do nosso país."


Analista 1: “Estamos a vencer a guerra contra o terrorismo.”

Analista 2: “Esta é a força mais bem preparada que já tivemos.”

Analista 3: “Esta é a melhor liderança que os militares já tiveram.”

Analista 4: “Quando pergunto a amigos meus de longa data do exército que não vão mentir-me, como estamos a sair-nos, e se estamos a ganhar ou a perder, eles dizem que estamos a ganhar.”


Stewart: “Esta gente é idosa e de confiança. Como o meu avô que esteve na 2ª Guerra. Eles não iriam mentir-me. Pois não avô? O avô matou o Hitler, não foi?. E nunca enganou a minha avó com uma prostituta francesa.”


Vídeo (legendado em português) – 2:14m

Joaninha disse...

Alf,

"de cabeça" OK o meu Et preferido tá louco!
Adiante.

Parece-me que não devemos respirar de alivio.
Se estamos a destruir as plantinhas que nos fornecem a "energia" quer dizer que a nossa fonte energetica está a diminuir, mas nós consumimos cada vez mais, o que quer dizer que a capacidade da natureza em nos sustentar está a diminuir rapidamente :) digo eu que sei tanto disto como de...Fisica :)

beijos

Tiago R Cardoso disse...

permita-me deixar um interessante, se tiver de pensar nestas contas ainda me queimava um fusível.

tirando a brincadeira, gostei.

Um pequeno a parte,
"no caso particular dos implumes têm de consumir mais energia do que o comum dos mortais. muito por causa da sua produção literária exigente."

Anonimodenome,
muito bom !

alf disse...

diogo
Interessante... só que você ainda não terá percebido muito bem que a luta pela sobrevivência, à boa maneira medieval, já começou... vá seguindo estes posts que irá ter novos elementos para o seu «modelo de realidade»

alf disse...

joaninha, obrigado pela preferência... os outros ETs ficaram cheios de inveja rsrsrs

As contas não são para ler, são só para quem as quiser verificar! O que verdadeiramente importa é o que aparece destacado. é que se eu não justifico os cálculos, no fim os leitores do blogue não vão acreditar no resultado final.

Quanto à questão que eu deixei em aberto, repara no seguinte: a fotossíntese serve para a construção das plantas; mas nós não comemos as plantas na totalidade, apenas podemos aproveitar uma pequena parte delas - não somos herbívoros. Ou seja, só podemos aproveitar uma parte do que a fotossíntese produz.

alf disse...

tiago

de acordo!

Tarzan disse...

Alf,

MWh/ano e GWh/ano são unidades de energia e não de Potência.

alf disse...

tarzan

MWh e GWh são unidades de energia; quando se divide a energia pelo tempo a que e se refere, temos uma Potência; portanto, MWh/ano ou GWH/ano são formalmente unidades de Potência, representam uma quantidade de energia que flui ao longo do tempo.

Claro que estamos habituados a que a unidade de tempo da medida de potência seja o "segundo"; mas não tem de ser - pode ser o ano, o século, o milhão de anos, o milhar de milhão de anos...

Joaninha disse...

Alf,

"Quanto à questão que eu deixei em aberto, repara no seguinte: a fotossíntese serve para a construção das plantas; mas nós não comemos as plantas na totalidade, apenas podemos aproveitar uma pequena parte delas - não somos herbívoros. Ou seja, só podemos aproveitar uma parte do que a fotossíntese produz"

se juntares a isso o facto de não sermos os únicos a consumir essa energia, se calhar estamos já a atingir o limite que a natureza nos pode fornecer :) era isso que eu queria dizer.

beijos

alf disse...

joaninha

é como dizes mas...

... "a atingir o limite"? Vais te passar quando compreenderes como as coisas estão...

osátiro disse...

Isso é que é matemática.
não foi aprendida em Portugal...

alf disse...

osátiro, obrigado pela visita!

isto é matemática da 4º classe... o que nos leva ao post "um burro carregado de livros" que está na lista de posts aqui ao lado... foi então que eu aprendi matemática.