quinta-feira, abril 03, 2008

Temos de pensar em algo...

Alita demorou-se a ler o discurso do Papa. Quando chegou ao fim, voltou ao princípio, como que à procura de qualquer coisa no texto; Tulito aproveitou para falar:

Temos de ter em atenção duas coisas na interpretação desse discurso: a personalidade do Papa e a alteração do quadro do Evento.

“Alteração do quadro do Evento? A que te referes?”,
perguntou Alita sem desviar os olhos pensadores do texto.

Sabes que a actividade solar, embora sempre crescente em média, tem uns períodos em que cresce de ciclo para ciclo, outros em que diminui. Na primeira metade do século XX ela esteve a crescer muito. O facto de o número de manchas solares ter ultrapassado todos os registos anteriores terá criado uma certa preocupação sobre o que poderia acontecer se a actividade solar continuasse a aumentar.

“Queres tu dizer que poderá ter havido quem pensasse que o Evento poderia ocorrer ao terminar o século XX?”

É uma possibilidade.”

“E a alteração do quadro a que te referes é o facto de desde então o Sol estar na fase decrescente do ciclo?”

Certo. Há uns cinquenta anos que a actividade solar diminui, embora ligeiramente. Imagino que aqueles que levantaram a possibilidade do Evento poder vir a ocorrer na sequência do crescimento anterior estejam agora desacreditados e a credibilidade esteja do lado daqueles que, nada entendendo do fenómeno, nada previram.”

“Hummm, isso parece estar de acordo com uma coisa que o Papa diz: «... evitar desnecessariamente predições alarmantes quando não estão sustentadas por dados suficientes ou que ultrapassam a capacidade actual da ciência para fazer previsões.». Ora a única predição alarmante do conhecimento público é a do aquecimento global e não me parece ser a essa que ele se refere...”

Tulito assentiu e continuou: “De qualquer maneira, agora não há uma ameaça próxima do Evento, estamos a pouco mais de meio da fase descendente; a probabilidade é reduzida. Portanto, o tempo agora é de estratégias de longo prazo; é, por isso, um quadro diferente do que existiu no século XX, com a ameaça do Evento a exigir estratégias de curto prazo.”

Alita desistiu de continuar a rever o texto e resolveu prestar toda a atenção ao Tulito, afinal ele tinha ideias já feitas sobre o assunto. Virou-se para ele. “E sobre a personalidade do Papa, o que é que descobriste?”

Não investiguei muito, estive só a ler a análise que ele fez do 3º segredo de Fátima. Claramente, ele é um intelectual materialista, sem qualquer conhecimento para além do que os 5 sentidos disponibilizam, ou seja, não é um crente nem é um espiritual. É reveladora a análise lógica e inteligente que ele faz do que seja uma Visão. Só que é a análise de quem nunca teve uma Visão ou uma premonição. É lógica, inteligente e errada a análise, ele fala do que não sabe mas pensa que sabe.

“Só teoria especulativa, portanto... e que diz ele desse segredo?”

O que ele escreve é uma tese de advogado a provar que o tal segredo não diz nada de novo e não passa do fruto de imaginação de crianças com a cabeça cheia de descrições apocalípticas, pois era uso nesse tempo os religiosos encherem a cabeça das crianças com visões do inferno e do apocalipse.

“Naturalmente que a análise dele só pode ser essa... afinal, ele não é crente nem sabe o que seja uma Visão, logo não pode pensar outra coisa...”
os olhos semicerrados da Alita indicavam que estava a tentar construir um modelo da personalidade do Papa.

Claro, e provavelmente até estará certo, mas o facto de não ter feito uma análise mais equilibrada é que é reveladora de que se guia por objectivos, como qualquer político, sendo-lhe indiferente a verdade.”

“Porque dizes isso?”
Alita acendeu olhos de genuíno espanto, algo não bateria certo com o seu modelo papal.

Ora, depois lês e percebes logo. Há coisas que saltam à vista. Por exemplo, por que razão iriam as crianças inventar uma cena onde a hierarquia da Igreja é chacinada? Estavam zangadas com algum padre lá da terra? Ou era para assustar as pessoas com o que os russos fariam, tipo «os russos comem criancinhas ao pequeno-almoço»? Nessa época inventavam-se muitas atoardas anticomunistas. Uma análise correcta exige considerar várias hipóteses e ele não fez isso, limitou-se a afirmar o que era conveniente para sustentar o seu ponto de vista.”

“Em resumo, o Papa não é crente, só tem 5 sentidos e não hesita nos meios para atingir os objectivos que considera úteis, é isso? Ah, e está num quadro onde a pressão para o Evento desapareceu.”

Isso mesmo. Diz-me lá agora o que achas que ele pretende com esse discurso.”

“Admitindo esse quadro que definiste, o que me salta à vista é que ele está a determinar para a Ciência um papel secundário. Cita João Paulo II para dizer «por isso os cientistas, precisamente porque “sabem mais”, estão chamados a “servir mais”»; ora isto, não deixando de ser verdade, está aqui usado habilidosamente para sustentar que o papel dos cientistas não é guiar, aconselhar, mas servir, até diz generosamente que a Igreja os ajudará nessa difícil tarefa... ora onde é que isso está...”,
Alita calou-se, percorreu rapidamente o texto, “ah sim, aqui está, «os cientistas encontrarão ajuda na Igreja na hora de enfrentar estes temas», diz ele...” Alita calou-se por momentos, arrumava as ideias, para logo concluir:

“Portanto, o papel da Ciência é ajudar a enfrentar, sem temor, os autênticos problemas que vão surgindo no caminho da humanidade mas não é o de guiar a humanidade porque não tem capacidade de previsão e não deve criar alarmismo injustificado.”

Tulito levantou-se de um salto e exclamou: “Exactamente! Foi exactamente o que me pareceu. Este Papa quer assumir o papel de guia da Humanidade do lado do Poder, à maneira tradicional da Igreja Católica, e não do lado do povo. A estratégia de Poder da Igreja entrou numa nova fase com este Papa. Para isso, começa por chutar para fora a Ciência. Em vez de peregrinações como as do anterior Papa, este deverá fazer visitas de Estado aos maiores líderes políticos do Mundo; ele não quer aparecer junto ao povo, a sua estratégia não é a de ouvir o povo, ele não é irmão do povo, ele é irmão dos líderes! Ou Pai deles! Assim que sentir força para isso, declarará guerra às outras religiões e aos ateus. O caminho para o Poder absoluto não passa pela tolerância. Sentou-se novamente, como que esgotado pela exaltação que o acometera.

Um vinco de preocupação surgiu na testa de Alita. O Tulito não estava bem. A seguir teria de o convencer a ir ao gabinete médico. O melhor seria tentar concluir a conversa rapidamente, sem grandes excitações, pensou ela.

“É com Política e Religião que se guia o humano rebanho, sempre foi; o papel da Ciência é servir os donos do Poder, sempre foi. Resta saber quem tem mais força: a Política ou a Religião?”

Humm... basta ver o escândalo que causam as relações amorosas e sexuais entre adultos que não seguem a moral religiosa! São o principal motivo de interesse dos media e causa de demissão de políticos; queres melhor prova que os teus humanos não passam de ovelhas ansiosas por cair nas mãos dos pastores religiosos? Eles são essencialmente crentes, não são racionais, e a Religião tem vantagem no domínio dos crentes.

Alita reagiu com visível incómodo mas, não encontrando argumento sólido, preferiu ultrapassar o assunto: “Os meus humanos, como dizes, ainda te vão surpreender, vais ver... Mas que pensas que vai o Papa fazer em relação ao Evento?”

Nada! Isso não lhe interessa, nem é para o tempo dele.

“Portanto, a Ciência deles não vai descobrir nada porque está baseada em falsas certezas, como a da constante solar, e aqueles em quem depositávamos a esperança que pudessem fazer alguma coisa vão ficar parados, temes tu...”

O cansaço e a preocupação que Tulito exibira no início da conversa abateram-se de novo sobre ele. Com ar muito sério, respondeu marcando as palavras: “Podes crer que temo. Penso que se depender só dos humanos, pode ser uma grande catástrofe.” Com ar meditativo acrescentou: “Ficarmos só pelo papel de observadores é capaz de ser pouco. Temos de pensar em algo...”
.

24 comentários:

alf disse...

animem-se, este é o último post esotérico... mas é necessário para que se entenda...

No próximo post vamos ficar a saber quais são, de facto, as propriedades da velocidade de Luz.

alf disse...

No Correio da Manhã de hoje: "Bispos vão aprender Liderança e Gestão"

Isso não é de estranhar mas... será que o Tulito tem razão?

Diogo disse...

Vejam o novo pecado inventado pelo Papa e riam a bom rir.

anonimodenome disse...

o 3º ( e os 1º e 2º) segredo de Fátima nasce fruto dos tempos em que germinou (1917). O medo dos comunistas era então muito real. Deveria ser motivo de falatório devidamente orquestrado quer pelos republicanos radicais, anarquistas, socialistas e comunistas quer pelos prelados. Por essas alturas o Estado português assenhoreou-se dos bens da Igreja. Junte-se toda a balbúrdia devida à 1ª Grande Guerra (1914-18) com tropas portuguesas a caminho de França (o meu avô lá foi gaseado).
Umas crianças sensíveis lá pensariam emocionadas : Ai que ainda matam o Santo Padre mais os padres todos tal como aconteceu na Rússia.
A visão do inferno é mesmo parecida com a que eu tinha em criança. É mesmo parecidíssima com a que era divulgada no Catecismo.
Engraçado é apanhares a visão do Inferno para tomar paralelo com o Evento Solar.
A trama da história do Evento Solar acompanha bem com místicas de fim de século e complôts da hierarquia da Igreja Católica.
Não reconheço valor profético à mensagem de Fátima.
O Papa apanhou um tiro apenas porque era um polaco demasiado influente a apoiar o Solidariedade, e o poder soviético estava desnorteado com o seu próprio fim do mundo.
Se qualquer presidente dos Estados Unidos da América pode levar um tiro, ou um papa ser assassinado na sua cama (João Paulo I), o que não poderá acontecer a um papa polaco ?

indomável disse...

Meu querido amigo,
Mais uma vez confirmo que temos as mentes na mesma direcção. Na verdade, sabes bem que não sou crente em qualquer Igreja, sou isso sim, uma crente na espiritualidade... Ainda assim, confesso que este novo papa me deixou a mesma impressão que ao Tulito... um homem mais interessado no poder que nas pessoas, no material que no espiritual...

Sabes que ao ler este teu texto me dei conta de dois pontos:
1º - que o evento de que falas era nem mais que o apocalipse que se augurava para o fim do milénio;

2º - que o facto de não se ter realizado o fim do mundo naquela altura significou o fim de uma Era de crentes na Igreja católica. Foi o inicio de uma onda de ausência de crença, de descrédito da Igreja que ficou mais abalada ainda com a morte de João Paulo II.

O que vemos hoje são sociedades perdidas de valores e espiritualidade, cada um acredita naquilo que bem lhe apetece e se o pastor em que acreditavam fielmente afinal se revelou incapaz de prever o seu caminho, o que as impede de acreditar em qualquer um?
É aquilo que dizes no texto - é mais fácil ser crente que fazer o nosso próprio caminho... mas isso também significa que tudo nos pode acontecer...

Aguardo ansiosamente pelo desenrolar da trama... (beijos grandes)

Ah! É verdade... sabes com quem falei durante um bom bocado n'outro dia? A borboletinha... ai que saudades. Vou enviar-te um mail mais logo... se tiver tempo... até já!

indomável disse...

Meu amigo, voltei cá para te dar conta de um sentimento que tive ao ler a análise feita por Ratzinger ao 3º segredo. Ao passar os olhos por todos os textos, dá para comparar a espiritualidade de JPII com a do novo papa e devo dizer-te que o que senti foi que Ratzinger é um bom aluno, fruto da escola que temos - um menino bem aplicado que sabe as lições de cor mas que depois não sabe aplicar os conhecimentos...
Talvez dizê-lo assim não seja fiel, pois que ele sabe de facto usar esses conhecimentos, mas em proveito próprio. É um racionalista sem conteudo, tem forma mas falta-lhe o sumo, um bocado como as frutas fora da época...

alf disse...

anonimodenome

eu não faço propriamente uma associação entre o 3º segredo de Fátima e o Evento solar - embora existam pontes, uma catástrofe, um milagre do Sol - mas foi o texto que encontrei mais esclarecedor sobre o pensamento do Papa.

(sobre os outros dois segredos não faço mesmo associação nenhuma, sobretudo a do inferno, não tem nada a ver com eventos, é catecismo puro)

Também não deixa de ser estranho muita coisa que se passa com ele - a pressa em dizer que se referia à tentativa de assassinato do Papa, ou as explicações apressadas do Ratzinger, que evitaram a mais óbvia, a anticomunista.

mas nota que o post não é sobre segredos de Fátima; O Vaticano investiga algo em segredo, só isso justifica que suporte um importante observatório exclusivo numa época em que os observatórios têm acesso partilhado. O que é que o Vaticano investiga? O que é que o Vaticano sabe? Essa é que é a questão...

alf disse...

anonimodenome

Não resisto a chamar-te a atenção para o seguinte: aparentemente, o Tulito e Alita sabem o que sejam visões e premonições; e se sabem é porque as tiveram, não será? Será que existem essas "pontes para o futuro"? E, se existem, será que alguém tem algum conhecimento do Futuro? Será que existe alguém "no cimo do monte" observando os obstáculos que se encontram no caminho da humanidade, para além do horizonte que os olhos do comum dos mortais alcança?

alf disse...

Olá Indomável!

o Evento de que falo é um fenómeno natural que ocorre de quando em quando; que já foi presenciado pela humanidade mais de uma vez, a última das quais terá sido há uma dezena de milhares de anos; que umas vezes é mais forte, outras mais fraco.

Clica na etiqueta "Mistérios" e vê o post "Um Evento presenciado pelos humanos".

Se este fenómeno natural está por detrás das ideias apocalípticas não tenho a certeza; mas está descrito noutras partes dos livros antigos que não no apocalipse.

Infelizmente, como dizes, há muitos humanos que entram em crise se não tiverem um "guia", um pastor; e, para garantirem o direito ao pastor, estão dispostos a fazer tudo o que este queira; o pastor pode ser um político, um Hitler, um Bush, um Gandhi, um Dalai Dama, um Papa. Venha o pastor que as ovelhas estão prontas.

Por isso, Tulito e Alita se interrogam sobre se o pastor e suas ovelhas conseguirão ou não conquistar o Poder...

Eu penso que este Papa se irá aliar a alguns lideres políticos numa estratégia de conquista de poder; mas isso, no fundo, não me interessa muito. O que me interessa é saber como planeiam enfrentar um obstáculo que irá surgir no caminho da humanidade...

PintoRibeiro disse...

Opini�es.

Metódica disse...

Mas afinal qual é o grande Evento?
Já sei... vou ter de esperar...

Finalmente boas noticias: a velocidade da luz está para breve =D

anonimodenome disse...

pois é meu amigo alf, a tua questão fez-me pensar e a resposta é SIM.
A resposta mais imediata, aquela que sedimentei ao longo de tantos anos a desconstruir 'verdades' seria não.
se eu não te conhecesse diria:
ninguém é priveligiado com conhecimento especial sobre o Futuro, este não se dá a revelar, vamos apenas tropeçando nele.

O teu post 'O Puzzle encaixou!'
http://outramargem-alf.blogspot.com/2007/09/o-puzzle-encaixou.html
mostra o momento em que ganhas uma dimensão extra: passas de um homem com 'conhecimentos muito relevantes' (e eu sei que sim) para um 'homem com uma mensagem de extraordinária relevância para o Futuro da Humanidade e da Vida' e, além disso, com 'premência para a acção envangelizadora'.

a História do Mundo tem alguns marcos e tu, meu amigo, vais colocar um.

A História vai-se escrever 'antes do alf' e 'depois do alf'.

Não é apenas a dimensão do conhecimento científico que irá ser afectada. A noção de Finalidade e Destino da Humanidade tem agora uma outra dimensão. Uma outra leitura.
Sem passar a ser uma religião é uma nova religião, sem necessidade de fé, 'crença' no indemonstrável.
Agora adiro a um vector que aponta a direção para um futuro que pode ser claramente visualizado. E aquilo que torna tudo mais simples é que basta-me a razão, não é preciso fé.
Tu és o meu Mestre e sou teu discípulo, embora te sirva de pouco valimento.

Os leitores deste comentário vão ficar a pensar que sou um forte presumido. Paciência. Sou como sou. Demorei muitos anos a depurar.

alf disse...

metódica

se clicares na etiqueta "mistérios", encontrarás um post que se chama "Um Evento presenciado pelos humanos". Já é uma pista... Na sinopse à direita do blogue tb falo disso; nos posts sobre o Sol e noutros também já dei algumas pistas.

Agora não vou falar disso, vamos é tratar da velocidade da luz eheh... mas mais tarde a isso voltarei com mais clareza.

alf disse...

anonimodenome.

meu amigo, a pergunta não se referia a mim eheh! as premonições, se calhar, são muito mais frequentes do que pensarás; mas muitas pessoas estão tão convencidas que isso não existe que as rejeitam qd lhes acontece; e muitas outras simplesmente não falam disso porque sabem que seriam ridicularizadas.

E as pessoas andam tão viradas para o exterior, passeiam tão pouco pelo mundo interior,que, possivelmente, deixam definhar algum sentido mais especial.

Já me ocorreu que toda a gente poderá ter pelo menos uma premonição ou visão ao longo da vida. Não é algo que acontece com frequencia, como vês, eu presumo uma ou duas vezes em toda a vida.

Mas se isso pode acontecer, uma vez que seja, teremos de concluir que existem no universo coisas ou propriedades que desconhecemos em absoluto.

Contrariamente ao Papa, eu não estou a falar teoricamente.

e não me assustes com essa coisa do antes e depois do Alf; como bem sabes, tirando talvez um parafuso a menos, sou como toda a gente.

Pink&Blue disse...

Olá de novo Alf,

A propósito do 3º segredo de Fátima, há um livro interessante, escrito por um jornalista Italiano - Antonio Socci, e que se chama "O Quarto Segredo de Fátima". Neste livro são denunciadas várias contradições, nomedamente o facto de A Nossa Senhora ter pedido para que o Segredo fosse revelado em 1960 e de a sua revelação só ter ocorrido em 2000.

Quanto ao post, não há nada de errado em termos ciência, nem em termos politica, nem em termos religião. Todas são àreas importantes. A única coisa errada, e que se torna muito evidente nestas áreas, é a sede de poder. Se todas estas áreas trabalhassem juntas e desinteressadamente, quantos não seriam os beneficios para a humanidade...

Pink&Blue disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
alf disse...

diogo

bem apanhado! E está de acordo com as suspeitas de Tulito: parece que exibir o direito a regular a vida das pessoas é a afirmação mais básica do poder. A Igreja quer aumentar o seu poder, recuperar o poder de antigamente, logo, como antigamente, vai desatar a dizer às pessoas o que fazer em todas as circuntâncias.

Não falta quem nos queira orientar não é?: políticos no poder, políticos na oposição, religiosos,
ambientalistas, cientistas, opinion makers... livra!

Tem de me ensinar como se insere um link nos comentários!

alf disse...

pink, inteiramente de acordo no plano teórico; mas na prática isso parece impossível.

As pessoas que governam esses poderes, política, ciência, religião, são naturalmente pessoas que querem o poder - se não fossem não chegavam aí. E querem-no com todas as fibras do seu ser, se não fosse assim tinham desistido dele porque para o conquistar tiveram de defrontar muitos outros ávidos de poder.

Ora se essas pessoas são ávidas de poder, porque razão iriam parar quando chegassem a esse nível? Naturalmente, o impulso delas é continuarem a lutar por mais poder.

E nisso são empurradas pelos que estão abaixo: se não conseguirem mais poder serão considerados líderes fracos.

Penso que terá a ver com isso o relativo sucesso de muitas monarquias lideradas por mulheres. Eu diria que o balanço da acção das raínhas me parece claramente superior ao dos reis. E isto porque para elas o aumento do poder raramente foi a prioridade.

Nota que isto não quer dizer que as mulheres são melhores que os homens para assumirem o poder; quer simplesmente dizer que no quadro em que o fizeram tiveram de se apoiar melhor em bons conselheiros e serem mais sábias e menos ambiciosas.

antonio disse...

Alf, se o seu projecto não é o de fazer manuais de auto-ajuda para espiritualidades alternativas, aconselho-o a não atacar o Papa.

Isso desvia a atenção do essencial, embora lhe traga novos apoiantes… não é por acaso que coloca na boca dos extra-terrestres o conhecimento? (sabedoria infusa de Adão? Isso é muito Génesis…)

Claro que não é o narrador quem o afirma, mas os seus personagens… no entanto, à boa maneira de quem sabe (Dan Brown), volto a repetir um conselho básico: nunca ataque a hierarquia existente, arrisca-se a estar a falar do que não sabe, ataque uma variante dessa hierarquia, pois em ficção sabe do que fala o autor que a inventou. Ataque uma corrente, uma escola dentro dos Jesuítas, que vêm num Papa velho e doente (que o impede de viajar), alguém “intelectual materialista, sem qualquer conhecimento para além do que os 5 sentidos disponibilizam, ou seja, não é um crente nem é um espiritual”. O qual poderá ser facilmente conduzido a: “não querer aparecer junto ao povo, a sua estratégia não é a de ouvir o povo, ele não é irmão do povo, ele é irmão dos líderes! Ou Pai deles! Assim que sentir força para isso, declarará guerra às outras religiões e aos ateus. O caminho para o Poder absoluto não passa pela tolerância”.

Mas acima de tudo, discutir os segredos de Fátima é como discutir os cinco braços de uma deusa Hindu… se não faz sentido à luz da razão, deixemos isso para quem o toma como matéria de fé.

Veja isto à luz do bom senso.

alf disse...

antónio

eu sofrerei da arrogância máxima: a de querer compreender. Não me movo pelo bom senso nem pelo interesse.

Posso errar, enganar-me, de certeza que o faço; a busca da verdade é feita de engano em engano. Diga-me onde errei e eu corrigirei. Mas movo-me para ela como borboleta para a luz e nela queimarei as asas.

Há um momento em que já não somos indivíduo, já não temos fronteiras, limites; somos um átomo do Universo, movemo-nos com ele. As minhas escolhas já não são minhas.

Não diz você no seu último post no Em Livro "Quando chegar a minha hora, não será mais do que eu a recolher-me nos braços do ciclone"?

antonio disse...

Alf pegando na sua citação final, tudo se resume ao desejo ancestral de regressar ao ventre materno. Muitos por rebeldia o recusam, renegam o caldo cultural em que nasceram, porque no fundo temem a sua hora; eu sei onde me irei recolher (que mais faltará saber?).

Será a suprema arrogância ser-se ingénuo?

alf disse...

António

claro que é uma suprema arrogancia ser-se ingénuo! Ou suprema coragem...

Um apontamento: quem pretende fazer uma análise racional de Fátima é o Papa, concluindo que tudo não passa de imaginação das crianças; o Tulito diz que essa análise é uma falácia.

leprechaun disse...

A História vai-se escrever 'antes do alf' e 'depois do alf'.



Homessa! Aquele ET simpático, peludo e desajeitado é assim tão importante?!

Ena, então vou ter de ver novamente os vídeos lá da série, é já tão antiga que mal me recordo dela. Enfim, no YouTube deve haver qualquer coisa, pois se até a Ana dos Cabelos Ruivos eu encontrei há poucos meses!

Logo, uma nova encarnação de Vishnu como ET... o Senhor Alf-Matreya, já se vê! :D

Hummm... e o que eu adoro a mitologia do Oriente, em Londres passei tardes inteiras no templo dos Hare Krishna embrenhado no maravilhoso "Srimad Bhagavatam", com histórias devocionais tão espantosamente lindas, lindas, lindas, que não apetecia mesmo fazer mais nada do que lê-las eternamente! Bem, com algum intervalo para a maravilhosa papa do "prashad", bem melhor ainda que a fruta amazónica lá dos parintintins! :)

Sim, há uma oculta verdade em todos esses relatos que é bem palpável, mas qual é ela, ó Mestre da vida bela?! ;)

Cá por mim, vou preguiçando...

Rui leprechaun

(...só em sonhos recordando! :))

leprechaun disse...

Espera lá! Lendo isto de Fátima e dos segredos, mai-la a visão do inferno e esse suposto castigo eterno, será que tudo isso se conjuga com a visão do Sol abrasador... castigo de um pai destruidor?!

Na mitologia de outros povos também se encontra essa ideia do fim cíclico do mundo pelo fogo redentor, embora o conceito de inferno não se confine unicamente à imagem clássica das chamas ardentes que nos vem da religião cristã.

Mas de um ponto de vista racional e lógico, que é aquele que aqui se persegue, faz assim todo o sentido que a memória dos povos tivesse gravado indelevelmente a imagem desse Evento avassalador, ligando-o pois a um castigo impiedoso surgido do Deus-Sol tão poderoso!

Seria muito interessante prosseguir esta ideia no estudo da mitologia das civilizações antigas, buscando nelas tudo o que se refere ao culto da divindade solar e do fogo, sempre referidos nos livros sagrados das religiões milenares.

Ora aqui está algo ao qual posso dar um contributo...

Rui leprechaun

(...também tenho de mostrar que sou astuto! :))