sábado, setembro 15, 2007

Dois Universos


Ana corta a galhofa e puxa a conversa para onde lhe interessa:
“Jorge, não estamos aqui para isso, estamos aqui para tu nos falares da história da Vida na Terra, tu prometeste!”

Pousa o copo de vinho branco e percebo que se esforça por manter um ar sério. Luísa secunda-a:
“Isso Jorge, agora queremos ouvir-te!” E bebeu mais um gole do seu copo como se assim selasse a mudança de assunto.

Olho lentamente para os três, leio a expectativa nos olhos da Ana e da Luísa, Mário nada diz. Começo então, com um arzinho de mistério que me parece adequado à criação de um ambiente favorável:
“Quando a Terra se formou, as coisas eram muuuuito diferentes...”

“Claro, que novidade! A Terra estava muito quente inicialmente, o processo de colisões que formou o planeta gerou muita energia térmica. A Terra levou uns milhões de anos a arrefecer”.
O Mário não se conteve, pelo vistos o meu ar de mistério não lhe agradou.

“Achas que sim?”, pergunto.

“Se acho? Tenho a certeza! Uns largos milhões de anos.” Respondia sériamente, ignorando ostensivamente o meu ar entre o brincalhão e o misterioso. Replico, manhoso:
“E arrefeceu muito?”

“Muito mesmo! Arrefeceu até ficar congelada. Totalmente congelada!”

“Totalmente congelada? Como é isso?” admira-se Luísa, meio a sério, meio a rir-se.

“É que a actividade das estrelas aumenta ao longo do tempo. Nos primórdios da Terra, o Sol radiava menos energia do que hoje. É por isso que a Terra esteve congelada até há umas centenas de milhões de anos atrás.”

É chegada a altura de contestar; sinto a minha expressão deslizar para a dúvida enquanto digo:
“A sério? Mas olha que os estudos que tenho visto de registos geológicos e biológicos concluem que a Terra sempre foi mais quente e que os gelos são um fenómeno recente.”

“Essas evidências são dificeis de interpretar
, o Mário recorre ao ar de autoridade, “mas a teoria estelar é sólida, o que não deixa dúvidas nenhumas: a Terra foi uma bola de gelo durante milhares de milhões de anos!”

“Ou seja
”, altura de atirar uma farpa, “das evidências conclui-se uma coisa, da teoria outra, logo as evidências estão erradas, uma vez que a teoria não pode estar... esse tipo de argumentação remonta à época do Galileu, não te parece?”

A Ana solta uma sonora gargalhada. A Luísa interroga Galileu porquê? Não estou a perceber?”, a Ana explica:

Não te lembras de os cientistas do tempo de Galileu se recusarem a espreitar pela luneta porque se a teoria dizia que os corpos celestes eram perfeitos seria inútil observá-los? O Mário está a fazer o mesmo: se a teoria diz que a Terra esteve sempre congelada no passado, é inútil observar os vestígios geológicos e biológicos do passado.”

Mário responde muito calmamente: não sou eu quem o diz, a teoria não é minha, é a teoria da Snow Ball Earth e é sustentada pelos melhores cientistas da actualidade. Mas já percebi que tens outra teoria Jorge. Conta lá então.

O Mário exibe um sorriso, está satisfeito com a forma como se retirou desta discussão, sinal de que não será fã da teoria. Altura de eu recomeçar:
“Quando a Terra se formou as coisas eram muito diferentes... porque a Terra estava muito mais perto do Sol do que está hoje!”

Ah ah ah”, o Mário solta uma sonora gargalhada, “Essa é muito boa. Nunca tinha ouvido disparate semelhante!!!”

A Ana agita-se e salta em minha defesa:
Eu estou a perceber!”, diz, com um brilho nos olhos, A expansão do espaço tem vindo a afastar a Terra do Sol! Claro que, se o espaço expande, necessariamente a Terra estava mais próxima do Sol antigamente! Óbvio!

Oiço-me a pensar: grande Ana, nada como as pessoas que não sabem matemática para destapar as aberrações lógicas das teorias matemáticas.

Que disparate!”, o Mário assume o ar doutoral, “a expansão do espaço não actua no Sistema Solar. Os seus efeitos são apenas a nível extragaláctico!”

Como é isso? O espaço fora das galáxias expande e dentro não?

Exacto!

E como é que o espaço sabe se está fora ou dentro da galáxia?, diz a Luísa com um sorriso mordaz, ela adora picar o Mário nas suas certezas. Uma manifestação da forte atracção sexual entre os dois, por certo...

Não fui eu quem fez o Universo eheheh”, o Mário ri-se, agora menos doutoral, “a sério, o fenómeno da expansão do espaço só se verifica em grande escala, é por isso que não existe ao nível da galáxia.”

Não estou a perceber...”, a Ana não desistia facilmente das suas ideias, ...como é que o espaço pode expandir numa escala grande e não expandir numa escala pequena? Se eu fizer uma parede de tijolos, pode a parede aumentar se os tijolos não aumentarem?”

O Mário agita-se na cadeira. Hesita na explicação que os cientistas costumam usar nestas ocasiões, ou porque calcula que eu a contestaria ou porque sabe que não é correcta. Aproveito o momento:
“Eu explico, eu explico. A teoria da expansão do espaço, na verdade, tornou-se na teoria da expansão do Céu! Basicamente, o que a teoria diz actualmente é que na nossa vizinhança, o universo é feito das coisas que conhecemos, matéria e espaço, obedecendo às boas leis da Física clássica e da Relatividade, sendo a matéria e o espaço eternos e invariantes ; lá longe, fora da galáxia, o Universo é feito de coisas completamente desconhecidas, a que se chama matéria negra e energia negra, e o espaço expande!

“Bolas, parece que estás a descrever o modelo de Aristóteles”,
exclama a Luisa.

Grande Luísa, murmuro para dentro, “Mas é que é o mesmo modelo! Conceptualmente, é o mesmo modelo, apenas a escala é diferente, o “Céu” agora é mais longínquo. A matéria negra é a nova versão da matéria etérea de Aristóteles e a energia negra corresponde à esfera que suportava os astros."

É só disparates o que vocês dizem”,
o Mário agora com um ar aborrecido, “a teoria da expansão do espaço é uma complexa teoria matemática, não pode ser interpretada nem explicada com raciocínios simples. Se querem entender, têm de estudar toda a matemática que a suporta. Se não sabem, não podem entender, tão simples como isso.”

A Ana, que detesta que lhe respondam como se fosse uma criança pequena, decide encarrilar a conversa:
“Vamos mas é ouvir o que o Jorge tem para dizer. Afinal, foi para isso que nos reunimos.”

Percebo que tenha de fazer um ponto prévio ou estarei sempre a ser interrompido pelo Mário.
“Mário, o Universo que tens na cabeça é constituído em mais de 96% por matéria negra e energia negra, que são coisas indescritíveis em termos físicos, e cheio de propriedades que apenas o poder da matemática permite ir descrevendo, sendo completamente inacessível à compreensão do comum dos mortais. Um Universo que devia caminhar para o caos mas faz o contrário em consequência de constantes de valor crítico, de coincidências e de acontecimentos de baixíssima probabilidade. Ou seja, um Universo de transcendências e milagres."

Uma pequena pausa. Mário não contesta. Prossigo:

"O Universo de que eu vou falar é o contrário de tudo isso, cheio de magia mas sem nenhum milagre. Ao contrário do teu, é um universo que podemos ir entendendo. Por isso, ouve-me como se eu estivesse a falar de outro universo, o que pensas saber deste não interessa nada porque o Universo que vou descrever não é o que conheces. Entendes?”

Ou seja, queres que eu me comporte como se estivesse a assistir a um filme de ficção!”

“Exactamente, é mesmo isso. Até porque, por agora, eu não vou entrar em explicações, vou apenas descrever como se estivesse a ver”

“Podemos, finalmente, ouvir a tua história da vida na Terra, Jorge?”

“É para já, Ana! Como eu disse, a Terra estava mais perto do Sol no princípio; estava aproximadamente onde está hoje Vénus, a energia que recebia do Sol era quase o dobro da que recebe hoje. Podem imaginar como seria o clima terrestre na altura?”

8 comentários:

Anónimo disse...

Wow! Quando passar de blog a livro, vai concerteza ser um sucesso!

Rodrigo

antonio disse...

Ora bolas!

Acaba sempre onde devia de começar! O livro também vai ser editado em fascículos? Você escreve como um guionista de novel brasileira (sem ofensa)!

Tarzan disse...

«Se eu fizer uma parede de tijolos, pode a parede aumentar se os tijolos não aumentarem?”»

Aumentando o cimento entre eles?

antonio disse...

Recomendo:

http://www.climateaudit.org/?p=2090

Joaquim Simões disse...

Distraí-me com o tempo e a falta dele e só mesmo agora vi que tinha publicado dois posts entretanto. Lembrei-me de repente de si, depois de o ter referido num comentário que deixei no Que Treta!. Hoje já não consigo lê-los, mas amanhã deixo-lhe um comentário.
Um abraço.

Joaquim Simões disse...

Não deixei, acabei por não ter tempo, depois de pôr uns postitos no meu e de responder a outro paessoal. E hoje também não deu.
Já falamos.

Varandas (Nascimento) disse...

Gostei do texto e do blog, vou adicioná-lo aos meus favoritos...
Parabéns!

alf disse...

Varandas, muito obrigado! Felicidades para o seu blog - o subtítulo promete...
Abraço. Alf