quinta-feira, dezembro 29, 2011

A Lógica da Batata no Capitalismo e a bomba Chinesa



Vivemos uma época que ficará para a História; a época em que a humanidade, pelo menos o Ocidente, viveu sob a batuta da Lógica da Batata. A Lógica da Batata é perfeita para defender os interesses pessoais num mundo movido pela cupidez. Sempre foi usada pelos sindicatos, pelas classes, pelos patrões, pelos cientistas, etc, etc, mas felizmente sempre houve quem estivesse acima dela. Mas agora parece que não há.

A Lógica da Batata é a lógica do pensamento simplório, imediatista, ao serviço das conveniências próprias.

A Economia é um exemplo acabado deste estado de coisas. É por isso que numa era de abundância conseguimos o prodígio de empobrecer, de estar a regressar aos tempos antigos, de as pessoas deixarem de ter electricidade em casa, de irem buscar água à fonte, de a iluminação pública estar desligada – estamos a caminhar a passos largos para uma era de escravatura.

Vejam como a Lógica da Batata nos orienta: em qualquer jornal se pode encontrar um artigo de opinião de um qualquer economista a dizer basicamente isto:

 - Precisamos de investidores para gerar emprego
 - Para que os investidores invistam cá, precisamos de lhes dar melhores condições que os outros; senão, vão para outros lados, não é?
 - Logo, o capital não pode ser taxado e os custos das empresas têm de ser minimizados.
 - Logo, é preciso impor políticas de austeridade, baixar os ordenados dos empregados, os seus direitos, e baixar os custos sociais – subsídios de desemprego, pensões, saúde, educação, etc.

Parece muito certo, não é? Certamente certo para os capitalistas. Mas agora vejamos as consequências para as outras pessoas.

Num esquema em que o capital circula livre de impostos, os lucros das empresas vão-se embora e única coisa que elas deixam são os ordenados que pagam; porém, estes são o mínimo possível – “queres que o capital venha para cá? Então tens de reduzir os ordenados para o nível mínimo, o nível de sobrevivência” – é o que este iluminados dizem. E acrescentam, com ar paternal: e é bem bom conseguirem ter um empregozito.

Bom, mas se as pessoas só ganham o mínimo de sobrevivência e o capital não paga impostos, onde é que o Estado vai buscar dinheiro para pagar a sobrevivência dos que não estão empregados? Não vai – mesmo os impostos como o IVA não rendem porque as pessoas não têm dinheiro para fazer compras. Adeus reformas, subsídios de desemprego, saúde, ensino público.

Este quadro leva à mais negra miséria para toda a gente excepto para os detentores do capital e seus lacaios directos; mas tem um problema: se toda a gente vai para a miséria, depois quem compra os produtos e serviços das empresas?

A resposta é simples: divide-se o Mundo – num lado, ficam os consumidores, no outro os escravos. Ou melhor, na óptica destes senhores, “organiza-se” o Mundo; o Sul da Europa é terra de escravos.

As pessoas que agora defendem um Capital acima da Lei, um Capital que não tem obrigações, não paga impostos, não tem deveres, só direitos, são pessoas que numa ditadura defenderiam o ditador, que no tempo de Salazar defenderiam Salazar. Pretendem estar a falar e a agir no nosso interesse, mas não estão, são lacaios do Poder.

Nós já não estamos numa Democracia; este Governo eleito está em funções porque está ao serviço dos Senhores do Capital; se não estivesse, teria sido substituído como na Grécia e na Itália. Todos os países do Sul são actualmente “governados” por pessoas ao serviço do Capital.

É claro que há muita coisa que precisa mesmo de ser corrigida – o país está a saque há muito tempo, por políticos e pelas mais diversas classes profissionais; a necessidade desta correcção, porém, está a servir de suporte e de justificação para medidas que não visam senão o empobrecimento e escravização.

É por isso que a China ter entrado aqui é uma boa notícia – a China é governada por pessoas ao serviço do seu povo e por ele realmente escolhidas. Na China, o Capital está submetido ao poder Político. O Capital ficou a tremer das pernas com a entrada chinesa aqui. O Capital vai ter de se pôr fino.

As minhas previsões para o futuro próximo: as taxas de juros das dívidas soberanas vão baixar em todo o lado, as dívidas soberanas vão ser renegociadas e as privatizações nas quais os chineses possam estar interessados vão ser proteladas.

6 comentários:

Anónimo disse...

na minha opinião um país que viva num modelo de estado social tem obrigatoriamente que totelar em serta medida o setor economico porque esta hist do capital andar por ai livre de impostos e num total anonimato, põem em risco e numa larga escala a viabilidade do estado social pois se este necessita do um grande contributo do setor economico para a sua viabilidade, e não tendo o estado meios para reclamar para si esse necessario contributo, o estado social, acaba por viver completamente refem dos gurus que compõem o topo da piramide no setor economico e nessa medida a entrada desta impresa publica chinesa na edp, é sem duvida, uma bela machadada nos intresses desses gurus.

alf disse...

Anonimo

Inteiramente de acordo.

Claro que estamos no meio de um jogo perigoso; não passamos do mexilhão na rocha. As regras deste jogo têm de ser mudadas, há que mudar o tratado de Lisboa no art 123 e há que mudar as benesses do capital.

bluegift disse...

Concordo quase inteiramente contigo, alf, excepto quando afirmas que "a China é governada por pessoas ao serviço do seu povo e por ele realmente escolhidas" ;-)
De qq forma o Capital na Europa, nomeadamente a França e a Alemanha, o esclavagista Reino Unido, acabam por ter dado um tiro no pé ao gerarem esta crise. Se a China começar a comprar as dívidas dos estados do Sul e a Rússia a dos estados de Leste (um dia chegará tb a eles), a velha europa estará perdida e condenada. Mais uma década e c'est fini o sonho europeu.
Abraço e um Bom Ano 2012, dentro do possível.
AnaBlue

alf disse...

AnaBlue

Obrigado e votos de um bom 2012 para ti também, com bons momentos, boas ideias, muita saúde, muita amizade.

Penso que em 2012 a actual situação será corrigida; no fundo, basta mudar o art. 123 do tratado de Lisboa; e o saldo de tudo isto acabará por ser uma sociedade mais informada das questões económicas e das regras que determinam o futuro. Sou um grande otimista, não é?

Bjs, bom Ano

Diogo disse...

Caro Alf,

A China, tal como o Norte da Europa, tal como o Sul da Europa, tal como todo o planeta, está nas garras do monopólio financeiro internacional. Não sejamos ingénuos.

Bom Ano 2012
Diogo

alf disse...

Diogo

Os financeiros que actuam aqui não conseguem fazer o que querem na China; na verdade, o único sítio onde eles têm liberdade total é mesmo na Europa. Nos outros lados eles têm de partilhar o poder com os políticos, aqui já se libertaram dos políticos, estão em roda livre.

A entrada da China aqui representa o poder político a voltar a pôr o pé aqui; e não há nenhuma forma de travar a China a não ser por via política. Por isso, os financeiros que dominam a Europa vão precisar de dar algum poder aos políticos europeus para travarem a China.

Abraço, este deve ser um de muitas surpresas e transformações... afinal, não deixa de ser mesmo um fim do mundo...